quarta-feira, 18 de maio de 2011

F.O.M.O.

Antes não tinha Facebook, antes ninguém sabia o que eram redes sociais, antes ninguém se falava online, antes não havia Blackberry nem iPhone, antes não havia blog, antes não havia netbook, antes não tinha MSN, antes ninguém sofria da síndrome do "Fear Of Missing Out", que já ganhou até uma sigla nos Estados Unidos, FOMO.

A síndrome seria uma carência gerada pela exclusão que as redes sociais causam em seus usuários, apesar de todos poderem estar conectados com todos 24 horas por dia. É mais ou menos assim: vai ter aquela super festa, mas você descobriu que não foi convidado quando a Fê confirmou presença no tal evento e apareceu lá no seu feed de noticias. Ou quando você resolveu xeretar nas fotos do seu ex-rolo e viu que ele fez aquela viagem com a turma toda e ainda por cima saiu abraçado com a sua suposta amiga em pelo menos 4 das 10 fotos postadas.

É aí que vem a FOMO, nada mais, nada menos do que aquela sensação de "perdi". Mas agora vamos ser realistas. Quantos daqueles 300 amigos que aparecem ali ao lado são REALMENTE seus amigos? Ou quantos daqueles você mantém uma relação, de qualquer tipo? Quantos você tem pensando "Ah, vai que um dia..."? Ou quantos são importantes para o seu networking? Todas essas categorias abrangem o perfil das pessoas que você autoriza em suas redes sociais.

E se por um momento você pensou que o Facebook fosse indispensável para sua vida é porque nunca teve um. Ele é justamente o contrário do que se define por essa síndrome. A intenção é unir as pessoas (mesmo que virtualmente), reencontrar velhos amigos e até se surpreender como o mundo é pequeno quando o amigo do fulano é seu amigo também. A própria palavra rede já descreve tudo, ela interliga as pessoas através de seus interesses, das atividades em comum e de tudo que é publicado por ali.

Talvez as pessoas hoje em dia tenham menos o que fazer e mais tempo a perder com as mídias sociais, daí o surgimento de tais fenômenos tão banais quanto aqueles que possam se identificar com os próprios.

Nenhum comentário: