sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Senhor, dai-me paciência!

Hoje acordei espirituosa, ou melhor, de bom humor e determinada a exercitar uma das virtudes que considero mais importantes na vida, a paciência. Pensa bem, você precisa ter paciência para tudo: com a família, com aquela amiga que demora pra se arrumar antes de sair, no trânsito, com as filas no supermercado, com os colegas de trabalho, com o computador lerdo, com seu chefe e em qualquer relacionamento que você se meta. Então, por que não desenvolver a paciência para viver com maior serenidade?

E quando o bom humor entra em você de verdade, é íncrivel. Hoje, tinha tudo para ser aquela sexta-feira em que você pensa: "chega o Natal, mas não chega o final de semana". Acordei mais cedo do que o meu costume para um compromisso, cheguei super pontual, mas eles é que estavam atrasados, e bem atrasados. Decidi que não iria esperar, senão chegaria atrasada ao trabalho, ou seja, dormi uma hora a menos e esperei 30 minutos para não conseguir fazer o que eu queria e ainda remarcar para domingo de manhã! No dia de eleições ainda por cima! Mas me surpreendi com a minha resposta quando a recepcionista pediu desculpas pelo atraso: "Tudo bem, moça, não tem problema".

Não, a Camila que eu conheço não faz isso. Não fala que está tudo bem assim facinho. Mas eu disse! E foi muito melhor do que brigar com a mulher ou xingar o responsável do local. Por isso, fui embora com esse pensamento, fui embora pensando ser uma pessoa melhor, pensando ser aquela que vai sorrir para um estranho e fazer seu dia diferente.

E tudo pesou mais ainda quando me deparei de longe no meio da rua com uma mulher baixinha, muito baixinha. Primeiro, achei que ela fosse anãzinha, pois até andava com certa dificuldade, depois, me dei conta de que ela não tinha parte das duas pernas após o joelho e que precisava amarrar os tênis na calça para conseguir andar. E ela estava lá, andando, batalhando, vivendo. E aí vem a pergunta: "Será que não reclamamos de barriga cheia?". Por que eu deveria brigar com a mulher por não consegui rfazer um procedimento de estética? Parece-me mesquinho e egoísta perder a paciência por tão pouco. Tenho saúde, tenho família, tenho amigos queridos, tenho o que comer, posso passear, posso correr, posso dançar, posso dirigir, posso ter um carro. Não é justo dizer que não sou feliz ou reclamar da minha vida.

E esses tantos pensamentos em apenas poucas horas da manhã, me fizeram ver que posso ser uma pessoa melhor ainda. E decidi que quero resolver meus pequenos e insignificantes problemas o quanto antes (insignificantes sim, pois diante de alguém que não tem pernas ou da mãe da minha amiga que estava com câncer, meus problemas são nada) e viver cada minutinho mais intensamente. Aproveitar o que for preciso e fazer o que eu tenho vontade, sejam elas planejadas ou não. Não chore, sorria. Para mim, viver dignamente já é o suficiente.

Um comentário:

camiseta disse...

ola! Vim fazer uma visita e dizer que seu espaço esta muito lindo!
Parabéns,forte abraço... de camiseta