quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Quero um amor pra vida toda!

Tá, já sei que príncipe encantado não existe, que o mocinho não vai salvar a mocinha no final, que o galã não é perfeitinho e que a desilusão faz parte do negócio. Mas também sei que sonhar faz bem e eu digo em alto e bom som que eu quero um amor pra vida toda. O problema é que não sei mais ser possível...

Paixão à primeira vista? É a maior furada do tempo, simplesmente não dá pra se apaixonar assim em um estalar de dedos porque depois você conversa, conhece e simplesmente se decepciona e aí, os sininhos que você escutou tocar quando o viu pela primeira vez, já não tocam mais...

A cada dia que passa eu escuto mais e mais:

- Tá sabendo? O Romeu terminou com a Julieta!
- Jura??? Achei que eles iam casar!
- Pois é, todo mundo achou...

E não foi uma, nem duas, nem três vezes nos últimos meses. Depois de ter tido a minha própria experiência e de ter ouvido diversas, eu fico pensando qual é a fórmula? Existe será? Ou hoje em dia não dá mais? As mulheres não são mais tolerantes como antes quando apenas cuidavam da casa? Os homens já não se satisfazem com o que temos pra oferecer?

O mundo cada dia mais individualista acaba destruindo os relacionamentos e a ânsia somada à urgência de se ter tudo o tempo todo faz com que as pessoas fiquem insatisfeitas constantemente. Ninguém mais quer esperar para ver, ninguém mais pensa se o outro está feliz com o que você disse, ninguém mais tolera a infelicidade mesmo que ela seja temporário. O mundo quer ser feliz aqui e agora, mas sem fazer o menor esforço, sem se doar um pouquinho e sem desenvolver a paciência (que eu considero uma das principais virtudes).

E aí, voltamos para aquela velha história: toda tampa tem mesmo a sua panela? Um dia eu já achei que sim. Hoje, já acho que tampando está valendo, não precisa ter o encaixe perfeito, precisa apenas de uma certa conectividade, se é que fui clara. Mas ainda fica a questão: até quando? Não dá mesmo para saber, no máximo, pensar positivo para que sim, afinal, por que não sonhar?


Nenhum comentário: