domingo, 4 de abril de 2010

Primeiro de Abril

Meu celular late avisando da nova mensagem. O que é normal, se não fosse pelo horário, 6:15 da manhã. "Amor, estou na sua janela, aparece". Apareci, uma, duas vezes. Nada. Respondi: "Tá nada, seu mentiroso". Depois ele me liga: "Claro que não! Primeiro de Abril!". Graça.... Foi logo cedo que percebi que era o Dia da Mentira.

O problema foi que, se eu contasse o que aconteceu comigo ao longo do dia, todo mundo iria me olhar com aquela cara de besta, achando que eu estava pregando uma brincadeira típica do dia, mas não. Na sequência foi mais ou menos assim: meu dedo estava inchado e roxo (prendi na porta do carro no dia anterior, ralei o paralama do carro que não era meu em um outro que até agora não faço ideia de quem seja em uma ousada manobra de ré, a costureira da fábrica desmaiou e teve que ir embora de SAMU e o final do dia estava eu no São Camilo descobrindo que minha última falange estava realmente quebrada por conta da porta do carro.

E tudo isso aconteceu em um dia só, bem no primeiro de Abril...

Um comentário:

Ale disse...

ai me desculpe mas a mentirinha das 6 da manhã foi genial!!! como se diz em Portugal: caíste que nem uma patinha!