segunda-feira, 29 de junho de 2009

Brasil 3 X 2 Estados Unidos

O jogo nem foi tão animado assim, mas o fato de estar na terra deles e ganhar de virada é coisa para qualquer brasileiro se sentir mega orgulhoso! Mais ainda depois de escutar o hino nacional tocando em alto e bom som!

domingo, 28 de junho de 2009

Gay Parade

É, quando a coisa é muito organizada não tem muita graça. A Parada Gay aqui em NY parece um desfile da Disney, só que com personagens bem mais exóticos. Tem até guardinha controlando o andamento da longa linha de GLS e o público só pode ficar atrás das cercas observando de longe. E claro que aqui eles não têm trios elétricos como no Brasil, então, a música fica por conta de poucos carros que contêm esse adereço a parte.

Os gays daqui também são muito comportados e o carro mais animado era o da Colombia, "quase" um Brasil. No fim, renderam-me boas risadas, ótimas fotos e um chocolate orgânico doado por um simpático gay.

terça-feira, 23 de junho de 2009

É...hum..mas...

Sabe quando você fica imaginando aquela situação, o que você diria se batesse de frente com ela, como ia ser? A gente fica ensaiando o discurso no pensamento, mesmo quando só há uma chance em um bilhão de acontecer aquilo. Pois é, mas há UMA chance e as coisas acontecem. E quando você mais precisa abrir a boca, nem que seja para falar qualquer coisa, você trava. É, travei...

domingo, 21 de junho de 2009

The Mermaid Parade

E lá fomos eu e a russa para Coney Island com aquela puta chuva, empolgadas com a idéia do desfile das sereias. Não foi difícil achar o local exato do desfile porque bem na nossa frente na saída do metrô havia um peixe, com um homem dentro, claro! No meio do caminho nos deparamos com diversas sereias posando para fotos, marinheiros, lulas, merguladores e tudo relacionado ao mar. O bairro parece que parou para deixar as sereias passarem.

Até que enfim, encontramos um lugarzinho entre tantos guarda-chuvas e pudemos apreciar o desfile. Eu diria que estava mais para "As sereias molhadas", mas muitas entraram no clima e adaptaram suas fantasias ou sorriam com os cabelos pingando.


Mas no desfile, não havia só sereias, em meia a bolhas de sabão, carros antigos "passavam pela avenida", carros quase alegóricos com pessoas pulando alucinadas, trailers com cachorros latindo na janela, pessoas fazendo propaganda do seu negócio e gente que parecia não saber ao certo o que estava fazendo ali. Esses estado-unidenses são muito esquisitos, se o desfile é de sereias, por que colocar os carros no meio?



sábado, 20 de junho de 2009

The Magic Hour

"É aquela hora do dia em que o sol se põe, é o momento em que é noite mesmo antes do pôr-do-sol, o céu está claro, mas não há realmente um sol. É uma luz extremamente leve e há certa magia por trás dela." Nestor Almendros, diretor de fotografia do filme "Days of Heaven".

O filme de 1978 foi filmado apenas durante a surpreendente hora mágica, que na verdade, não é uma hora completa e sim, os últimos 25 minutos do dia, em que o sol está caindo no horizonte e o céu adquire tonalidades indescritíveis. É aquele momento do dia em que você sempre fica com a boca aberta quando olha para céu.

Um detalhe, não havia eletricidade na época, por isso tudo foi filmado comluz natural. Vendo as cenas, você entenderá do que estou falando.

Se um dia quiser fotos maravilhosas para sua coleção, não deixe de fotografar durante a Magic Hour.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

E meu dólar?

Perdido meu bilhete do metrô, fui lá eu comprar outro. Aqui, eles adoram uma máquina, é máquina de café, de refrigerante, de tudo, até para o bilhete do metrô. No Brasil, até tentaram, mas essa moda não pegou. O bilhete ilimitado é mais caro, por isso, resolvi primeiro colocar a nota mais baixa e depois as mais altas. Lá se foi a de um dólar, ok, aceitou, quando coloquei a de 20, ela passava pelo mecanismo e a máquina a cuspia de volta. Desisti e fui comprar no caixa, mas a máquina se recusou a me devolver o meu um dólar. Apertei, apertei e nada. Aí, veio um técnico:
- Ah, a máquina engoliu seu dólar?
- Sim.
- Ele deve ter travado aqui dentro.
Ele tenta, tenta e nada do um dólar. Vendo que também não ia conseguir, ele imprimiu o meu recibo, aonde constava que a máquina engoliu o meu dólar e me disse também que eu só poderia pegar depois, que eles me enviariam um cheque no valor descrito no recibo!!!
Não entendendo muito bem, deicidi perguntar mais um vez para o moço do guichê. E para a minha surpresa o tal do "cheque" só viria depois de uma ligação para a central do metrô dizendo que meu um dólar ficou preso lá na máquina tal. O que custava eles me darem o crédito de um dólar na hora? Se é mais fácil complicar, para que simplificar....

Prejudice

Não sou daquelas pessoas que têm preconceitos, claro que durante nossa vida, já vivemos situações em que nos pegamos sendo preconceituosos e nem nos demos conta. Todo mundo já olhou meio torto para aquela menina com roupas esquisitas ou ficou meio com medo do homem mal-encarado na rua ou pensou que aquela velhinha não fosse capaz de dançar como acabou de fazer. O preconceito sempre foi tema de debates, principalmente, entre as raças, os negros sempre acusaram os brancos de serem preconceituosos, até por uma questão histórica, acredito. Mas essa semana, pude ver exatamente o contrário. Entrei no metrô lotado para voltar para casa depois do almoço e sem querer pisei no pé de uma menina que estava sentada. Pedi desculpas e continuei de pé. Quando paramos na próxima estação, me encolhi para dar passagem para uma pessoa sair e encostei, sem pisar, no pé da amiga da menina. Ela deu um grito absurdo e soltou um "Bitch!". Isso porque eu já tinha pedido desculpas novamente. Depois disso, elas ficaram me encarando a viagem inteira e na hora de sair, uma delas colocou o pé propositalmente para eu tropeçar, mas óbvio que eu tinha visto e passei por cima. Na saída, a mesma chutou minha bolsa. Meu único pensamento foi: Filha da Puta! Mas não consegui gritar, estava tão abismada que a minha voz não saiu...

terça-feira, 16 de junho de 2009

Bad luck...

O que poderia ser pior do que pegar a maior chuva na entrada do Cirque du Soleil, ser xingada por uma adolescente, arrancar seus cílios durante um "arriscado" procedimento com o curvex, bater a porta do quarto e deixar sua chave dentro, viajar uns 40 minutos e não conseguir as entradas para o ballet, chegar depois que o churrasco terminou, perder seu bilhete do metrô válido por mais 14 dias e pedir um cappucino e só perceber que ele está em açúcar quando você chegou em casa (sendo que também queimei a língua com o mesmo)? Acho que só entrando numa igreja para me benzer. Quem sabe numa sinagoga, já que pelas redondezas só elas existem... Pelo menos, meu travesseiro foi trocado depois de um gentil bilhete que deixei para a empregada.

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Museum Mile Festival


Aqui em NY acontecem algumas coisas inusitadas. Na terça-feira, por exemplo, foi o Museum Mile Festival, em que nove museus ao longo da 5 Avenue foram abertos ao público. As ruas ao longo de dez quarteirões foram interditadas e as pessoas passeavam animadas por elas, apesar do tempo meio friozinho. Todos podiam assistir a homens malabaristas engolindo fogo (o que estamos bem acostumados nos faróis de São Paulo), barraquinhas com artesanato para vender, carrinhos de cachorro-quente, entre outras performances. Só consegui entrar em três dos nove museus:Metropolitan, Guggenheim e o Museu de Design. Os nova-iorquinos realmente curtem esses eventos e é muito bom que todos aconteçam durante o verão, assim poderei fazer parte deles também. O que mais me chamou atenção foi que ao longo dos dez quarteirões, eles estavam distribuindo giz para que todos escrevessem na rua. Havia crianças, adultos, todo tipo de gente desenhando, escrevendo o nome do seu país ou apenas assinando no concreto. O ruim é eu ontem a chuva veio e levou todo o colorido embora.

domingo, 7 de junho de 2009

Glued

Hoje foi a quarta vez que fiquei colada no chão em 15 dias. É impressionante o número de chicletes que estão por aí. Se você olha a calçada, dá a impressão de que está chovendo, de tantas bolinhas escuras que se espalham pelo chão. Com os 29 graus (mais a sensação térmica devido ao concreto), fica fácil de imaginar os chicletes borbulhando no asfalto....

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Impossible - by Adidas

Impossible is just a big word thrown around by small men who find it easier live in the world they've been given than to explore the power they have to change it. Impossible is not a fact. It's an opinion. Impossible is not a declaration. It's a dare. Impossible is potential. Impossible is temporary. Impossible is nothing.
Impossível é apenas uma grande palavra jogada por aí por pequenos homens que acham fácil viver no mundo que lhes foi dado ao invés de explorarem o poder que têm de mudá-lo. Impossível não é um fato. É uma opinião. Impossível não é uma declaração. Impossível é um desafio. Impossível é potencial. Impossível é temporário. Impossível é nada.
Adidas Store - Soho

terça-feira, 2 de junho de 2009

The subway

Se eu tivesse apenas uma palavra para definir o metrô daqui seria encardido. É isso que ele é: encardido, sujo, até meio nojento. É sensacional, porque você consegue ir a qualquer lugar da cidade por ele e alguns possuem painéis eletrônicos que anunciam com a maior facilidade qual a próxima estação e quantas paradas faltam para a sua, mas ainda assim ele poderia ser um pouco mais limpo. O nosso pequeno aí do Brasil dá de dez a zero neste quesito, apesar de que a circulação de pessoas nem se compara. E se você já foi pro Carnaval em Salvador e acha que já sentiu o maior cheiro de xixi da sua vida, você está enganado. Com certeza, o cheiro daqui bate qualquer um. Agora o mais impressionante é que é praticamente uma cidade embaixo da terra. Em cada estação passam X trens em X plataformas e se você não entende nada em inglês, esqueça, tome um táxi...

segunda-feira, 1 de junho de 2009

This is NY!


Está sendo um pouco difícil atualizar as novidades por aqui. Todos os dias estão sendo bem atarefados, mas estou insistindo para não perder o hábito de escrever diariamente. Aqui acontecem diversas coisas inacreditáveis todos os dias. Esta foto, por exemplo, é de um pedacinho de Times Square. A rua é fechada para o tráfego e há espreguiçadeiras pro povo relaxar na hora do almoço. Imagina se ia sobrar uma cadeirinha dessas no Brasil....