terça-feira, 10 de março de 2009

Seu Almir, o poeta

Ele foi o primeiro a nos levar de volta após a exaustão do Cocobambu. Cansamos, muito. Os pés doíam, mas fomos até o fim e até dava pra aguentar um pouco mais. No final do circuito, os organizadores da corda até faziam graça, organizando o povo todo que estava na frente para correr. Eles ficavam junto com os balões do patrocínio e davam o sinal para os seguranças que impediam a multidão de atravessar para aquela área. No três, todos corriam e alcançávamos o trio adiante. Alguns foliões não se contentavam e queriam passar pela barreira dos seguranças, o que não era permitido, mas eles acabavam deixando, só pra ver a felicidade dos bêbados em achar que conseguiram. Eles passaram, rodavam pelo chão, pulavam e depois retornavam para a multidão.


Depois de algumas propostas pelo abadá suado, pegamos o táxi do Seu Almir. Conversa vai, conversa vem, futebol daqui, Bahia dali.


- Eu sou cantor também. - disse o Seu Almir todo animado.

- Que legal!! O que o senhor canta? - nós retrucamos, colocando fogo.

- Fiz uma música para o Bahia quando subiu para a primeira divisão. E também fiz uma pro são Paulo, porque em São Paulo, eu torço pra eles, que também são tricolor.


Não precisou de 2 minutos, o Seu Almir já tirava um CD do porta-luvas e colocava pra tocar.


- Essa é a música do Bahia. - disse ele.


Ouvimos, aprendemos o refrão, fizemos um agito no banco de trás e acenamos pela janela. Quando Seu Almir viu nossa empolgação, ficou feliz da vida e resolveu dar uma palhinha ao vivo para nós.


- Agora, vamos fazer ao vivo! - disse ele, colocando a faixa 6 do CD, que tocava apenas a parte instrumental da música.


E lá fomos nós, o caminho inteiro de volta para o hotel cantando com o Seu Almir, taxista, cantor, compositor e poeta.


"É tricolor! Ô, ô, ô, ô, ô!

Minha Bahia não desanima

Já demos a volta por cima"


3 comentários:

Magno Rocha disse...

Oi, te encontrei por acaso, mas encontrei 'algo' interessante, um estilo solto bem parecido com o meu. Gosto de escrever também!

Aproveito para te convidar para partilharmos momentos/palavras: http://selvabrasil.blogspot.com/

Seu espaço é aconchegante. Muito bonito.

Parabéns!

Magno

Rafael disse...

Adorei!

Já anotei o telefone da figura para quando eu estiver em Salvador!!!

Muito boa a história!

Bibi disse...

Ah, eu me encantei pela história de seu Almir! Como deve ter sido boa essa corrida até o hotel. Gosto de gente e de gente que conta e faz história. Muito bom! Mais uma vez prova-se a máxima de que Baiano não nasce, estréia! hahaha