quarta-feira, 25 de março de 2009

A Noiva Cadáver




Essa foi uma das histórias mais bizarras que escutei na vida. Era uma vez um homem, ele tinha uma sobrinha, Maria. Um belo dia, Maria apareceu com algumas feridas na boca, foi ao médico e ninguém conseguia descobrir o que era. Tiveram que fazer uma biópsia para descartar algo mais sério. O resultado espantou os médicos e a família da moça: bactérias de cadáver.




Isso mesmo. Eu também pensei que a menina era uma maníaca e gostava de beijar mortos ou que ela trabalhasse no IML, sei lá. Os médicos obrigaram a menina a ir na polícia (como deve mandar o protocolo, imagino) e lá, Maria contou que estava saindo com um cara há um tempinho já. Pronto! Então, o cara é o que trabalha no IML e gosta de um cadáver, pensei eu. A polícia pediu para Maria marcar um encontro com o tal, suspeitaram dele e o seguiram até em casa. Eis o que descobriram. Na casa do cara, havia dois corpos de mulheres, nos quais ele fazia sexo. Com isso, ele passou as bactérias para a viva com quem ele estava saindo, a pobre Maria (se apareceu na boca, imagina como estaria o resto...). Quando foi preso, ele confessou que Maria seria sua próxima vítima.




Simples assim, ele gostava de transar com mulheres mortas, devia gostar de um sexo silencioso. Então, saia com as meninas e depois as matava. Parece história de filme, mas aconteceu de verdade, por isso, tome cuidado com seu próximo beijo nas baladas.

2 comentários:

Rafael disse...

No cinema eu gostaria de ver essa história; na vida real deu arrepios...

Anônimo disse...

Fiquei sabendo dessa história e o choque foi tanto que resolvi pesquisar sobre o assunto. Já existe um filme, aliás reproduz uma história real... O nome do filme é "Dahmer - Mente Assassina"... Não tive coragem de assistir mas no youtube têm vários vídeos com a biografia desse cara.... Dahmer é o sobrenome dele.