terça-feira, 25 de novembro de 2008

Suicídio online

Hoje, uma notícia me chamou a atenção na internet "Suicídio visto ao vivo pela internet provoca debate". Não entendi o que era e resolvi ler o conteúdo. A reportagem é do New York Times e um pouco mal traduzida para o português, já que está bem confusa para se entender na primeira leitura. Era uma vez um garoto, que frequentava uma comunidade online, uma espécia de fórum, em que todos podiam escrever suas opiniões. Com seus 19 anos, já tinha dúvidas e problemas e preferiu compartilhá-los com outros internautas ao invés de procurar ajuda. Em uma de suas postagens disse que queria se matar e descreveu o que usaria para acabar com a própria vida. Os demais participantes da comunidade o incentivaram, o que resultou em um vídeo ao vivo com a morte do garoto, visto em tempo real por alguns internautas.
Quando perceberam que o garoto realmente morria, alguns chamaram a polícia, outros mandaram mensagens para o site pedindo para repetir o vídeo, outros gargalhavam. Segundo a polícia da Flórida, quando o corpo foi descoberto, 700 pessoas assistiam ao vídeo. Claro que eu fiquei curiosa e o procurei na internet, mas a pesquisa só retornou notícias, tributos ou opiniões sobre o assunto. O que leva uma pessoa a querer se matar pela internet? Seria a esperança de alguém o socorrer antes da morte? Essa é a questão abordada pela notícia que acabei de ler. Um professor dizia que essa foi a maneira que o jovem encontrou de pedir ajuda. Mas pra quem? Pra um bando de desconhecidos que nem diz seu verdadeiro nome na internet?
Os pais disseram que o jovem sofria de bipolaridade e que tomava remédios antidepressivos. Se, realmente, esse era o diagnóstico, porque os pais já não monitoravam o que o garoto fazia na internet? Afinal, os internautas que o viram morrer têm culpa de não terem chamado a polícia antes? Eu acredito que não. Claro que eu prestaria socorro a um desconhecido, mas quem garantia que ele não estava fingindo, já que a maioria do que passa pela web é falso?

Nenhum comentário: