quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Exaustão

O pensamento pára.
O tempo não anda mais.
A cabeça atordoa e os movimentos são mais lentos.
Músculos que nem existiam antes aparecem, doloridos.
A respiração ofegante começa a dificultar a entrada do ar.
No ombro, o peso sentido.
As pernas deixam de nos pertencer.
A mão escapa.
O calor toma conta.
O rosto pega fogo e o suor escorre pela batata da perna.
A coragem cresce e a esperança pede para se apressar.
Os ponteiros do relógio marcam 18:45.
Você pára e sente, enfim, a exaustão.
E ela te persegue até o resto dos dias.

Um comentário:

Thales disse...

By Bio Ritmo.