sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Consumismo desenfreado

Por que será que temos essa louca vontade de comprar as coisas? De querer sempre o novo e o mais moderno? De ter aquilo sem mesmo precisar? Você já parou para pensar quantas coisas já comprou sem necessidade? Ontem mesmo fui dar uma volta e comprei um brinco, mais um tic-tac com uma florzinha e mais um grampo com strass. Eu não precisava disso tudo. Tenho uns 30 pares de brincos em casa, mas eu ainda queria mais esse.
Antes disso, minha última compra foi em uma feira de scrapbook. Comprei papéis, adesivos, fitinhas e coisinhas para enfeitar um álbum que eu ainda nem comecei e nem sei quando vou começar. Mas era tudo tão lindo!! Como resistir? Sempre que paro e penso nisso, lembro-me de uma dinâmica de grupo que fiz para uma vaga de trainee da Johnson&Johnson. Eles pediam para nós desenvolvermos uma estratégia de marketing para a divulgação de um novo produto e outra para retomar as vendas de um produto antigo. Para isso, nos deram um texto sobre o Instituto Akatu, uma ONG que preza pelo consumo consciente.
Afinal, o que é consumir com consciência? Segundo eles, "O mais comum é as pessoas associarem consumo a compras. A compra é apenas uma etapa do consumo. Antes dela, temos que decidir o que consumir, por que consumir, como consumir e de quem consumir. Depois de refletir a respeito desses pontos é que partimos para a compra. E após a compra, existe o uso e o descarte do que foi adquirido". Consumir com consciência é levar em conta os impactos provocados pelo consumo. Por exemplo, "o consumidor pode, por meio de suas escolhas, buscar maximizar os impactos positivos e minimizar os negativos dos seus atos de consumo, e desta forma contribuir com seu poder de consumo para construir um mundo melhor".
Nada melhor do que viver de simplicidade. Ser simples nos leva a consumir com consciência e a valorizar o essencial, o que não quer dizer que seja uma vida chata. Os pequenos prazeres é que tornam a vida especial. Como diria a atriz da peça "Os homens são de Marte e é pra lá que eu vou...", vamos praticar a arte do desapego!! Pra ela não deu muito certo... Também não sei se pra mim daria, mas não custa nada tentar.

Um comentário:

Thales disse...

Você me traz todo tipo de prazer, pequenos e imensos. Não irei desapegar de você.
Beijos