quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Blecaute

Impressionante como a falta de luz em alguns bairros pode simplesmente parar a cidade de São Paulo por completo. Para ser mais exata, 425 mil pessoas. Eu estava voltando do trabalho quando soube que meu bairro estava às escuras. Logo percebi: faróis sem funcionar, buzinas infinitas, apitos do CET, casas com velas e lojas com gente na porta vendo os carros passarem.

Fui até à aula de dança (estava quebrando um galho para minha professora) para "bater cartão" e meu amigo me disse que a energia tinha acabado por conta de uma pessoa que pretendia se jogar da torre da Eletropaulo. Acho que eu e mais meia São Paulo que ficou presa no trânsito ficamos indignadas ao ouvir isso. Como uma única pessoa pode causar um caos na cidade?

Acredito que cada um tem o direito de tirar ou não a própria vida, mas não precisa prejudicar a de ninguém por conta disso. Aliás, uma pessoa que tem esse tipo de atitude não quer se matar realmente. Quem quer se mata e pronto, toma uma overdose de remédio ou dá um tiro na cabeça. Não fica pendurado três horas em uma torre ameaçando pular.

Até que a falta de luz rendeu boas risadas. Fiquei brincando de "Adoleta" e fazendo penteados com uma menininha de seis anos. Também expliquei o que tinha acontecido e o porquê de estarmos fazendo maria-chiquinhas no escuro. Às 19:21, a luz voltou. De repente, ela grita: "O cara pulou!!".

Para ler mais sobre o quase suicida acesse
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u438607.shtml

3 comentários:

Marília disse...

Esse suicida fracassado me lembrou a PUC e coleguinhas que diziam já ter tentado suicídio por se sentirem culpados(as) pelas mazelas do mundo...rsrsr...lembra disso né?

Thales disse...

1º: Eu acho que alguem poderia ajudar o indíviduo a se matar. Se ele quer morrer e não é competente para fazer isso sozinho, peça ajuda;
2º: Eu poderia te ensinar a aproveitar melhor a escuridão, mas quero deixar claro que só funcionaria comigo, tá?!?!
Beijos do Magro.

Ale disse...

ele pulou ou não? o que é "maria-chiquinha"?